O termo agilidade possui diferentes significados. Segundo Wendler (2013), o termo agilidade é utilizado para se referir a quatro contextos distintos: agilidade de manufatura, agilidade de equipe, agilidade de desenvolvimento (desenvolvimento ágil) e agilidade organizacional. Este texto trata desse último.

De acordo com Teece et al (2016), agilidade organizacional é uma capacidade dinâmica que está em constante estado de transformação dentro da organização e existe um custo associado a ela. Além disso, agilidade é uma capacidade que nem sempre é necessária e, às vezes, é até impossível de ser obtida. Portanto, é importante calibrar o nível adequado de agilidade da organização com a estratégia adotada a um custo que seja razoável.

Agilidade organizacional refere-se à capacidade da organização em perceber prematuramente as alterações em curso em seu ambiente (comportamento do consumidor, marco regulatório, mercado fornecedor e contexto econômico) e rapidamente reagir a elas, através de mudanças no produto e/ou no processo produtivo, por exemplo. Agilidade depende principalmente de dois elementos interdependentes da empresa: (i) gestão capaz de combinar e recombinar tecnologias, e (ii) estruturas flexíveis que podem ser rapidamente modificadas.

Overby et al (2006) utilizaram o conceito de agilidade organizacional para intermediar a relação da capacidade de TI com o desempenho organizacional. Segundo eles, para a maioria das organizações os principais impactos da TI no negócio ocorrem de forma indireta através das áreas e processos de negócio, e a TI teria um importante papel no redesenho e implantação de processos de negócio. Segundo estes autores, agilidade possui duas dimensões:capacidade de percepção (sensing) e capacidade de reação (responding) – que ampliam o alcance (reach) e a riqueza (richness) do conhecimento da empresa e de seus processos. A capacidade de percepção, que possui relação com gestão do conhecimento e monitoramento, refere-se à capacidade intelectual de encontrar as áreas apropriadas para atuar. Já a capacidade de resposta (reação) está relacionada com gestão da cadeia de suprimentos, gestão da produção e o uso de recursos. Refere-se à capacidade física de agir.

Além do impacto direto que a capacidade de TI tem sobre a agilidade organizacional, há também um impacto indireto através da criação de opções digitais (digital options).

Sambamurthy et al (2003) sugerem que a TI apoia indiretamente a agilidade, fornecendo às empresas opções digitais através de um conjunto de capacidades habilitadas pela TI na forma de processos de trabalho e sistemas de conhecimento. Uma premissa básica desta teoria é que a TI aumenta a amplitude de recursos (reach) e a qualidade da informação (richness) disponível para a empresa, melhoram sua capacidade de percepção e de respostas ao ambiente, tornando-a assim mais ágil. O termo “opções” é utilizado porque uma empresa pode aplicar as suas capacidades relacionadas com TI a oportunidades emergentes, ou essas podem permanecer inutilizadas, dependendo do ambiente e da estratégia da empresa.

Estes autores definem três tipos (dimensões) de agilidade organizacional habilitadas pela TI: agilidade de cliente, agilidade de parceira e agilidade operacional . Agilidade de cliente é a capacidade da empresa em utilizar os clientes no aprendizado (exploration) e na exploração (exploitation) de oportunidades de inovação. Ela descreve a capacidade da empresa de compreender as manifestações dos clientes para obter inteligência de mercado e detectar oportunidades. Agilidade de parceira é a capacidade de mobilizar os seus recursos, e os conhecimentos e competências de fornecedores, distribuidores, fabricantes contratados e provedores de logística, através de alianças, parcerias. Ela permite que as empresas construam uma rede de parcerias estratégicas para explorar as oportunidades de inovação e de criação de vantagem competitiva. Agilidade operacional refere-se à capacidade dos processos de negócios das empresas para atingir padrões competitivos de prazo, custo e qualidade para exploração de oportunidades de inovação e de criação de vantagem competitiva. É ela quem permite que a empresa rapidamente redesenhe os processos existentes e crie novos processos para explorar as condições de um mercado dinâmico.

Fonte: IT Forum -365
Por Marketing CCM-ULA